quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Ao urro da garganta escancarada,

selvagemente expeli do blogue estomacal,

o ser mal ancorado em mim.
Vanda Ferreira

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

MANIFESTO

MANIFESTO 1º. ACAMPAMENTO DE POETAS DEL MUNDO “O GRITO DA TERRA -PRESERVAR PARA VIVER”


CAMPING DO CAFÉ DA BUGRA

CAMPO GRANDE, MS, BR.

Considerando a conquista milenar em que, há conhecimento de que os poetas são as molas propulsoras para eleger pensamentos mais realísticos diante da humanidade, manifestamos nesse 1º. Acampamento de Poetas Del Mundo na região rural de Campo Grande, MS, BR, a vontade de levar ao povo sul-mato-grossense, ao País e ao mundo a consciência global manifestada pela Paz, pelo Social e pelo Meio Ambiente.

Em obediência ao manifesto de nosso Secretário Geral Luiz Arias quando diz:

“Poeta do Mundo, una-se a essa batalha pela existência humana! Pela continuidade da vida!”, nossa colega poeta, cônsul do Em Torno Rural de Campo Grande, MS, Vanda Ferreira, com força e garra de mulher matuta consolidou esse 1º. Acampamento de Poetas Del Mundo – O grito da Terra - Preservar para Viver.


1. Diante dos cinco focos dos Poetas Del Mundo: O homem, o planeta, os direitos sociais, a solidariedade e a paz, reuniram-se poetas de cinco estados brasileiros, para seminário e debates nos dias 08, 09 e 10 de janeiro de 2010, compreendendo a unificação das raças que fazem parte de nosso país em primeira mão aos índios da região, os quais possuem uma cultura tão rica quanto às demais comunidades. Ficou proposto que se façam encontros nas aldeias em busca do índio poeta para integrar às fileiras dos Poetas Del Mundo.

2. Diante das atuais catástrofes ambientais manifestamos nossa solidariedade ao planeta estudando as espécies da flora e da fauna tão lindamente composta no Camping da Bugra. Ao tempo em se caminha para a tecnologia aplicada em todas as camadas da sociedade, nos propomos a ampliar o respeito, e a ternura para com a natureza, concordando que o belo é o simples e assim deve ser visto pela humanidade.


3. Ao seguirmos o item 3 do Manifesto dos Poetas Del Mundo “Ser poeta não significa escrever bonitas poesias, a poesia não é mero objeto de decoração. Temos que vive-la, temos que senti-la, temos que praticá-la.[...]”, apresentamos aos presentes o Seminário: Sinestesia e Literatura, no qual aprendemos a “sentir” a natureza, praticar o natural e escrever sobre o todo universal usando “todos” os sentidos, nos propondo a continuação desse exercício com estudos mais aprofundados e extensivos aos subsídios literários.


4. Declaramos e apoiamos encontros formando Roda de Prosa em todas as comunidades, em especial nas carentes do município levando as Leis Municipais, Estaduais e Federais à população, obtendo com isso uma maior integração moral e social na tentativa de uma compreensão maior daqueles que sofrem discriminação racial, ou de classe.


5. Aproveitando o item nº.9 do Manifesto Mundial dos Poetas Del Mundo onde declara que: “[...] nos declaramos pacifistas, mas não covardes, nem passivos. Antimilitaristas, mas de nenhuma maneira ingênuos, mesmo que sentimentalistas por natureza, porque na expressão artística, a tinta da escrita é o sangue de nossas almas [...]”, manifestamos e registramos a questão do lixo em nossas vidas e no planeta. O lixo deve ser observado como o entulho tanto físico quanto psíquico. A conscientização de onde colocar o nosso lixo se faz necessária e urgente. Dizemos “NÃO” à passividade.



6. Em palestra realizada pela poeta e cônsul Vanda Ferreira com o título: “Pé de Luxo” tomamos a consciência de que é urgente prepararmos facilitadores para a batalha diária contra os abusos e desmandos da modernidade do “tudo pode”.



7. Manifestamos, por fim, que estamos convictos sobre os nossos direitos e os nossos deveres enquanto cidadãos e cidadãs dispostos a desenvolver mediante à palavra falada, escrita, televisionada o manifesto proposto, bem assim como examinar e sugerir estratégias para que possamos integralizar nosso pensamento à toda humanidade.



8. Sugerimos o estabelecimento de ações reivindicatórias perante as autoridades locais, estaduais e federais para desempenho maior às entidades culturais que primem pela ordem, pela harmonia e pela paz, através de patrocínios, doações, investimentos fiscais, realização de projetos literários e sociais.



9. Apresentamos como guia o grito da Terra, a conscientização que devemos preservar para viver para podermos continuar com nossos propósitos de que o homem precisa respeitar o Planeta em que vive, para fazer uso de seus direitos sociais, entendo o bem que há na solidariedade em procura da Paz.



Delasnieve Daspet

Embaixadora para o Brasil de Poetas Del Mundo



Aida Domingos

Cônsul da Cidade de Campo Grande, MS



Vanda Ferreira – Realizadora do Evento

Cônsul do Em Torno Rural de Campo Grande,MS



Nena Sarti - Redatora

Cônsul da Região do Imbirussu, Campo Grande,MS



Poetas Del Mundo presentes e Convidados:



Delasnieve Daspet – Embaixadora para o Brasil e Sub-secretária para as Américas



Aida Domingos – Cônsul da cidade de Campo Grande/MS



Vanda Ferreira – Cônsul do em torno rural de Campo Grande/ MS



Nena Sarti – Cônsul da região do Imbirussu, Campo Grande/MS



Sonia Medeiros Imamura – Cônsul da cidade de Búzios/RJ



Elaine Mello – Rio das Ostras/RJ



Nelson Viera – Campo Grande/MS



José Faria Nunes – Cônsul do Estado de Goiás



Zélia Balbina – Cônsul do Estado do Rio de Janeiro /RJ



Olga Fonseca – Cônsul de Londrina/PR



Reginaldo Sans – Campo Grande/MS



Sabrina Carvalho – São Paulo/SP



Diego Adrianne – Campo Grande/MS



Fernando Nogueira – Campo Grande/MS



Santo Sarti – Campo Grande/MS

domingo, 21 de fevereiro de 2010

poesia de Vanda Ferreira

Ciclo diário

Vanda Ferreira

Dia nasce de parto celeste.

Útero rasgado por filetes solares;

Manhã tem lisa, fresca,

Fina pele de pitanga verde.

Até entardecer:

Intensa adolescência,

Vespertina faixa etária

Brinca de passarinho, macaco,

Desabrochares de pétalas,

Aberturas para exibir duendes.

O dia anoitece,

Então adulto,

Encerra-se em supremacia

Das serpentes tatuadas pelo vento

Nos corpos das árvores

Que alojam segredos da vida.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Bugra Sarara, acrostico/Venancio

B ugra, você adentrou em meu sonhos dourados


U ma, duas, três, ou mais vezes

G uarneceu de amor, paz e alegria,minha alma escura e fria

R evitalizou àquele coração cansado

A dormecido num profundo esquecimento e abandono



S onhei

A ssim como todos sonham

R i, chorei

A mei, desamei...felismente

R evivi prá vida, já quase esquecida

A lcancei a paz, em minha alma perdida

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010